Estudo conclui que o consumo de ovos pode aumentar o risco de doença cardíaca e morte prematura

Embora a produção de ovos seja responsável por causar um enorme sofrimento para os animais, muitas pessoas acreditam que o ovo é livre de crueldade animal e o consideram, inclusive, um alimento vegetariano. Também é comum que ele seja caracterizado como saudável, apesar das altas taxas de colesterol: 186 miligramas por ovo!

O problema

No entanto, um novo estudo publicado na revista científica de medicina American Medical Association afirma que o aumento no consumo de ovos e outros alimentos com altas taxas de colesterol eleva os riscos de doença cardíaca e morte prematura.

O estudo, que acompanhou mais de 29 mil pessoas durante 17 anos, apontou que 300 miligramas a mais de colesterol dietético no consumo diário estão associados a um aumento de 3,2% nos riscos de uma pessoa sofrer de doença cardíaca, e em um aumento de 4,4% nos riscos de morte prematura. Ao consumir o equivalente a uma porção de meio ovo a mais diariamente, cresce para 1,1% os riscos de doença cardíaca e 1,9% os riscos de morte prematura.

“Considerando as consequências negativas geradas pelo consumo de ovos e do colesterol dietético no cenário de padrões alimentares saudáveis para o coração, não devemos ignorar a importância de limitarmos o consumo de alimentos ricos em colesterol”, escreveu o Dr. Robert Eckel no editorial JAM sobre o novo estudo. “Esses resultados devem ser levados em conta no desenvolvimento e nas atualizações de guias com recomendações alimentares”.

Como substituir

De fato, os guias poderiam, em vez disso, recomendar uma porção diária de um produto à base de soja, como o tofu, que é um alimento livre de colesterol e tem a mesma quantidade de proteína de um ovo, além de estar ligado à diminuição das taxas de riscos de doença cardíaca.

Porém, reduzir ou eliminar o consumo de ovos vai além de apenas melhorar sua saúde. É uma das melhores coisas que você pode fazer pelos animais. As galinhas estão entre os animais considerados de consumo mais explorados do planeta, e o sofrimento delas na produção de ovos é muito intenso.  

A produção de ovos

Nos incubatórios das galinhas poedeiras, o procedimento para a produção de ovos é doloroso, principalmente para os pintinhos. Os machos, por não botarem ovos e não crescerem rápido o suficiente para a produção da carne de frango, são mortos nas primeiras horas de vida de formas extremamente cruéis.

Como mostram registros feitos em várias investigações realizadas pela Mercy For Animals, muitas galinhas têm ferimentos graves e sofrem infecções sem o devido cuidado veterinário. Muitas vezes, elas são mantidas em confinamento intenso. A maioria das galinhas vive em gaiolas de bateria, ocupando um espaço menor que a superfície de um iPad.

Além da grave privação social e mental, forçar uma ave que é naturalmente ativa a passar sua vida apertada em uma posição quase estática leva esses animais a desenvolverem diversos problemas de saúde, incluindo claudicação, fragilidade dos ossos e fraqueza muscular. Muitas galinhas quebram os seus ossos devido às condições e, por não conseguirem mais produzir ovos suficientes, são abatidas.

Muito triste, né? Mas, felizmente, você pode escolher não participar desse sistema cruel. Se você gosta do sabor dos ovos, mas quer parar de comê-los, saiba que existem alternativas deliciosas. Você já provou um mexidinho de tofu? Clique aqui para acessar a receita.